11 Mitos existentes sobre SEO

Com a chegada do Google Panda, algoritmo do Google que veio para combater conteúdo de baixa qualidade, mesmo os sites com conteúdo que se mantinham dentro da densidade aceitável foram pegos e rebaixados.

1. Quanto mais palavras-chave melhor

Há um tempo atrás trabalhávamos nossos textos de acordo com a densidade de palavras-chave. Quanto maior a densidade melhor, desde que não passasse de uma determinada porcentagem ou seria considerado keyword stuffing.

Com a chegada do Google Panda, algoritmo do Google que veio para combater conteúdo de baixa qualidade, mesmo os sites com conteúdo que se mantinham dentro da densidade aceitável foram pegos e rebaixados, isso por que mesmo repetindo as palavras-chave principais dentro da densidade até então aceitável, os textos ainda apresentavam-se com uma baixa qualidade, repetitivos e incômodos de serem lidos.

Então, se você ainda pensa em densidade de palavras-chave, você está vivendo no passado e está pronto para ser punido.

Desenvolva seus textos de forma natural e repita as palavras-chave quando e se necessário. Isso é o suficiente para servir uma boa experiência aos seus leitores.

2. Meta tag keywords

Meta Keywords só serve para seus concorrentes

Eu podia deixar isso passar sem citar, mas tenho visto tanta gente com dúvidas nesse ponto, principalmente usuários do wordpress por conta do campo meta keywords nos plugins de SEO que preferi citar.

Há anos atrás a meta tag keywords era um dos principais fatores do algoritmo do Google e usar as palavras-chave principais nela era bom rankeamento na certa. Mas as coisas mudaram…

A explicação é simples e rápida: Os donos de sites e profissionais de SEO abusaram tanto, mas tanto dessa tag que ela foi “banida” do algoritmo do Google há anos.

Ela simplesmente é ignorada e ponto final.

Aliás ela serve pra uma coisa sim… serve para que seus concorrentes vejam e saibam quais são as palavras-chave que você está interessado em melhorar os posicionamentos.

Conselho: Simplesmente ignore-as. 

3. Meta tag description

Se você já leu ou ouviu por aí que a meta tag description não influencia no posicionamento nas buscas do Google, saiba que essa informação está “meio certa”.

Realmente a meta tag descrption não é um dos fatores que o Google leva em consideração no seu algoritmo, ou seja, não influencia diretamente para o posicionamento do seu site, porém o CTR é um fator com influência direta e a description influencia muito nele.

Complicou? Explico…

CTR é a quantidade de vezes que um resultado é clicado em relação à quantidade de vezes que ele aparece nas buscas, assim se o seu site aparece 100 vezes nas buscas e o resultado é clicado 10 vezes das 100 que ele apareceu, o CTR é de 10%.

Agora digamos que o seu site está em segundo lugar na busca do Google para uma determinado termo e ele começa a ser mais clicado do que o de cima (primeira posição), assim, o seu CTR é de 15% e o CTR do resultado acima de você é de 5%. Sigamos…

Esse é um forte indício de que o resultado para o seu site está agradando muito mais aos usuários do que o resultado acima de você, com isso, o Google sobe o seu site para a primeira posição e rebaixa o que estava acima de você para a segunda posição.

Ficou mais fácil agora, mas e a description?

O resultado padrão do Google é composto pelo título, url e description e essa última tem uma fortíssima influência na decisão do usuário em clicar ou não em um resultado, assim, se você caprichar na description e mostrar através dela que sua página pode sanar as dores dele, é exatamente ali que ele vai clicar.

Então, capriche na sua description. Pense nela com carinho antes de escrevê-la.

 4. Palavras-chave no início do title

Outro grande mito é que a palavra-chave principal tem que vir no início do title da página.

Lembro de ter aprendido isso em 2008 e apenas 1 ano depois isso já não tinha mais importância.

Sua palavra-chave ainda tem que estar presente na tag title, mas se ela está no início ou no fim do mesmo, não faz diferença, ou seja, se a minha palavra-chave para esse artigo fosse “SEO” tanto faz se o título desse artigo for “11 mitos de SEO” ou “SEO: Conheça 11 grandes mitos”.

5. Domínio exato e palavras-chave no domínio

Esse é mais recente, então se você ainda não sabe, tá tudo bem.

A questão é que o peso dado ao domínio exato caiu muito e o próprio Google já avisou que cairá mais até que provavelmente deixará de ter qualquer peso. Como SEO não é uma ciência exata teremos que aguardar para ver como isso funcionará mais pra frente.

Ter um site com o domínio exato para a palavra-chave que você desejava era mais da metade do caminho andado. Bastava colocar algum conteúdo meia boca nesse site e pronto, lá estava ele nas primeiras posições e foi exatamente por isso que esse fator perdeu grande parte do seu peso e vem perdendo mais.

Então, na hora de adquirir um domínio para seu site, preocupe-se com a fácil memorização por parte do usuário e esqueça o SEO.

Quer um exemplo prático? Na busca por “marketing digital“ há alguns meses, todos os resultados tinham o termo “marketing digital” no domínio. Atualmente só dois resultados têm a palavra-chave. Um é o marketingdigital.com.br que está lá pelo excelente conteúdo e não pelo domínio e o outro é o escoladomerketingdigital.com.br. Os outros resultados não possuem a palavra-chave no domínio e domínios exatos como marketingdigital.com, .net, .org etc simplesmente foram rebaixados por que apesar de serem exatos, tinham conteúdos pobres.

6. Número mínimo de palavras-chave

Número mínimo de palavras: Um dos grandes mitos de SEO

Sabe qual é o número mínimo aceitável de palavras-chave para um bom artigo? 200? 300? 600?

O número mínimo é o que for necessário para expor um assunto com qualidade e cobrindo o assunto de forma mais completa e informativa possível.

Um exemplo prático é uma notícia sobre a queda de um avião. Assim que o avião cai a notícia se resume a:

“Avião cai nos alpes franceses. Ainda não há mais informações sobre o ocorrido” – 13 palavras, é tudo o que se tem para esse conteúdo. Descrever o clima nos alpes franceses e suas belas montanhas e blá blá blá, só para ter um texto de 300 palavras não só é uma perda de tempo como é encheção de linguiça, o que torna o conteúdo pobre.

Agora, depois de alguma horas, onde já se sabe a companhia aérea, a cidadania dos passageiros, rotas, horários e outras informações, aí sim, justifica-se um texto mais completo.

Concentre-se na informação que deve ser passada e não no número de palavras.

7. Quantidade de links

Links e sexo têm uma coisa em comum: Qualidade é muito mais importante do que quantidade.

Muitos pseudo-profissionais de SEO ensinaram ao mercado que links são votos e quanto mais votos você tem melhor, pois assim como em uma eleição quem tem mais votos ganha.

Isso está meio certo. Links realmente são votos, mas os votos têm pesos diferentes, assim, um link de um site com grande autoridade vale mais do que cem links de diretórios, por exemplo.

Então essa é a dica: Preocupe-se com a qualidade dos links que você recebe e não com a quantidade.

8. Investir em links patrocinados melhora o rankeamento nas buscas orgânicas

Mito, mito, mito, cem vezes mito.

São algoritmos diferentes, setores diferentes, equipes diferentes e ainda corre na boca pequena que uma equipe briga com a outra pra ver quem é mais importante.

A única coisa que já foi provada até o momento em relação à isso é que o fato de ter dois resultados na mesma página (orgânico e links patrocinados) aumenta um pouco o CTR em um dos resultados, não necessariamente no orgânico.

Isso faz sentido já que como há uma maior exposição do seu site o usuário é mais impactado por ele do que pelos concorrentes, mas note que eu afirmei que os dois resultados estão na mesma página, ou seja, o seu site já está pelo menos entre os 10 primeiros e mesmo assim pode ser que o CTR aumente para o anúncio e não para o resultado orgânico.

Então, definitivamente, investir dinheiro em Adwords para que o Google posicione bem o seu site pelo fato de você estar dando dinheiro à ele, é um grande mito.

9. SEO técnico é tudo

Outro tópico que virou mito recentemente é que se você tiver um SEO técnico bem feito está tudo ok e seu site ficará bem posicionado.

Matt Cutts: O gatinho Serelepe

Como já falei em tópicos anteriores, o Google Panda veio para valorizar o conteúdo de qualidade, inclusive em um famoso vídeos do “gatinho serelepe”… ops… do Matt Cutts, ele informa que por pior que seja o seu código e a sua tecnologia, mesmo assim o Google fará um imenso esforço para ler e indexar seu conteúdo e se ele for relevante ao usuário será bem posicionado.

Aí você pensa: “haaaaaa, então eu não preciso me preocupar com o SEO técnico, É só eu escrever um bom texto e pronto.”

Francamente, se você pensou isso, feche esse artigo e abra uma vendinha ou uma padaria. SEO não é para você.

O algoritmo do Google atualmente é composto por mais de 500 fatores e o conteúdo engloba apenas alguns desses fatores.

Não é por que o seu tempero é maravilhoso que você vai usar carne estragada na feijoada, certo?

10. SEO é grátis

Temos a tendência de dizer que SEO é grátis pelo fato de não ser pago como ocorre com os links patrocinados ou outras formas de anúncios. Até mesmo a mensuração do ROI para SEO é mais complexa por não ter investimentos tão claros, mas sim, eles existem.

Se você é uma empresa provavelmente tem um profissional de SEO in house e esse profissional tem salário, encargos e outros gastos. Ou então você contratou uma agência para cuidar do SEO.

Ainda temos possíveis redatores ou até mesmo os custos com servidores, já que visitas representam consumo de banda.

Agora se você faz SEO por conta própria, é preciso contabilizar as horas que você gasta trabalhando no seu site. Essas horas têm um valor que nesse caso são o seu custo em SEO.

Então, SEO nunca é gratuito.

11. SEO Mobile

Esse tópico trata do mito mais recente.

Há alguns dias o Google anunciou uma modificação em seu algoritmo (Google Mobile Update) que afeta as buscas em dispositivos móveis.

Com essa modificação, sites que estão adaptados à dispositivos móveis receberão uma “nota maior” e tenderão a se posicionar melhor que seus concorrentes que não estão adaptados.

Mais uma vez: “Tenderão“, por que esse é apenas um dos fatores. Tudo bem que ele tem muito peso, mas ainda assim é apenas um dos fatores.

O mito trata exatamente disso. A maioria das pessoas está achando que o simples fato de seus sites serem adaptados à mobile e o do concorrente não, vai fazer com que seus sites fiquem melhor posicionados, e pior, eles acham também que quando esse concorrente fizer a adaptação, eles voltarão às posições originais. 

Tudo mito!

Bônus: Primeiro lugar no Google garantido

Fuja dos picaretas do SEO

Eu pensei bem antes de colocar esse item na lista e por isso ele entrou como um bônus. Primeiro lugar no Google garantido não se trata de um mito e sim de picaretagem.

Se alguma empresa ou profissional te promete isso, fuja dele, pois seu sobrenome é picareta.

Não há como garantir posicionamentos nas buscas, aliás, no “novo SEO”, nem trabalhamos mais com posicionamento e sim com o aumento de visitas.

Há como colocar um site em primeiro lugar no Google de forma fácil e até rápida? Há sim, mas para isso esses profissionais usam técnicas black hat (técnicas proibidas). O site se posiciona super bem, você paga feliz pelo trabalho e alguns dias ou semanas depois, seu site simplesmente some do Google, pois foi punido e quando esse picareta é procurado ainda tem a cara de pau de dizer que a culpa não é dele, afinal enquanto ele estava cuidando do site, o mesmo estava bem posicionado.

 

Via: marketingnaveia.com.br

PRECISA DE UMA AGÊNCIA DIGITAL?
Entre em contato conosco e solicite uma proposta para sua empresa.

SOLICITAR

Acompanhe nossas redes sociais